viernes, 1 de octubre de 2010

COMIENZA ETAPA DE TESIS



Estimados Mestrantes-UPA

A partir del 30 de octubre del 2010 comienza el ciclo de orientación y tutorías de tesis para los alumnos que comenzaron la maestría en Julio y agosto del 2009.

La asistencia a la orientación y a las tutorías es obligatoria.

Todos deben actualizar sus compromisos financieros y haber concluido los módulos teóricos.

Atte,

Prof. José Ramón León
Coordinador

miércoles, 4 de agosto de 2010

Ah! O Ipê...

Símbolo da humildade sem a subserviência, da vivacidade sem a esperteza, do amor sem o pieguismo, da simplicidade sem o ser simplório, da força sem a brutalidade, da rusticidade sem a prepotência, da prevalência da beleza sobre a banalização da vida, da harmonia e sincronismo sem a menor pretensão de exibicionismo barato, do vigor e da plenitude de quem mesmo se sabendo um dos mais belos seres que existe no mundo não se envergonha de se mostrar desnudo e frágil diante de todos.
Esse é o Ipê! Seja roxo, seja rosa, branco ou amarelo, todos nos emprestam sua beleza, generosidade, exuberância e desprendimento quando florescem e parem (de parir mesmo) algo tão estonteante que materializar em uma única expressão é relativizar o sublime. É como dar caráter peremptório ao que é sazonal e deixar de entender que essa sazonalidade deixa nossos corações repletos de amor e paz até o seu novo parir.
E quantos exemplos e lições podemos tirar de nossos grandes mestres, os Ipês...
Dizer que florescem em momento de frio e seca, ou seja, nos momentos mais difíceis de sua vida é que atingem sua plenitude, é um bom começo. Mas não basta, pois ele nos dá um enorme exemplo de simplicidade, humildade e desprendimento quando suas folhas percebem que para que a beleza de suas flores possa estar límpida e bem visível, cada uma delas vai se sacrificando e entregando suas vidas para que o seu bem maior possa sobreviver sem atropelos e sem interferências. A sua beleza contagia e nos comove na difícil e dolorosa forma de entendermos a vida, pois ela “morre” para que floresça, e enfeita quando morre, preparando-se para o renascimento certo e cada vez mais vívido.
Que será isso afinal? Que mistério é esse?
É a certeza da ressurreição? É a prova indiscutível da existência de um ser maior, divino, supremo? É o milagre da vida nos saltando aos olhos e nos dizendo: Vamos! Você pode!Você consegue! Veja-me. Se eu consigo, você também pode conseguir...
É! É realmente muito difícil definirmos qualquer coisa quando se tenta conversar sobre algo que se alguém não fala e, não fora tão maravilhoso, seria capaz de passar despercebido aos olhos desatentos de quem olha sem ver as coisas, ao ponto de expressar: - Que beleza de árvore, pena que suja muito...
Mas acredito na reverência do Ipê pela vida e a importância que ele dá àquela que lhe sustenta e lhe propicia a vida, pois é a ela que devolve sua mais linda obra e razão de sua existência, suas flores, seus cachos de flores que ao caírem formam o mais belo tapete vivo, morto pelas circunstâncias, mas vivo em sua pujança e na certeza de que tudo valeu a pena.

Obrigado, amigo Ipê, por suas silenciosas lições e por sua magnífica beleza...

Cláudio Santos Réche

lunes, 26 de julio de 2010

Aprenda Espanhol desde su Casa.

http://www.espanholgratis.net/

Este es uno de los sitios que sugerimos para que los Maestrantes puedan practicar el idioma Espanol.

lunes, 19 de julio de 2010

viernes, 2 de julio de 2010

Doutores UPAP com muito sucesso no MERCOSUR



PROFª. DRª. MARTA CANESE: Mestrado em Pedagogia e Didática - UPAP - Py; Doutora em Educação - UPAP - Py; Professora Universitária e Pós-Universitária em Programas Internacionais; Autora dos livros: Política Educativa en América Latina; Sociedad y cultura urbana; La Pedagogía Universitaria en el paradigma de la integración del MERCOSUR; Teorías Pedagógicas para el siglo XXI; Matemática desde un enfoque constructivo e Ciudad Ciudadana.

VER EL SIGUIENTE VIDEO

http://www.youtube.com/watch?v=RPChA5GdMDc

Doutores UPAP com muito sucesso no Brasil



FRANCISCO DE PAULA MELO AGUIAR, nasceu aos, 03 de abril de 1952, natural de Sapé/PB, cidadão honorário de Pilar e Santa Rita – Paraíba, filho de Sebastião José de Aguiar (agricultor) e Maria do Carmo Melo Aguiar (do lar). É casado com a Prof.: MS. Severina Bezerra da Silva Melo Aguiar. Formação universitária – CURSOS DE GRADUAÇÃO: Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais (Direito); Bacharel em Teologia, Ciências Humanas; Bacharel em Psicanálise Clinica; Licenciado em Pedagogia; Professor de História, Geografia, EMC e OSPB, via EXAMES DE SUFICIÊNCIA pelo Centro de Educação da UFPB; Estágio Universitário na Câmara Federal em Brasília (1975). CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO : Especialista em Psicanálise Clínica; Especialista em Metodologia da Educação para Áreas Rurais; Especialista em Metodologia do Ensino Superior ; Especialista em Administração da Educação à Distância; Especialista em Psicodagogia; Mestre em Teologia ; Mestre em Educação e Doutor em PSICANÁLISE CLÍNICA, na área de concentração: A Didática na Teoria da Técnica Psicanalítica, pela Escola Superior de Psicanálise Clínica do Rio de Janeiro e University of European Peoples – Málaga – Espanha; Doutor em Teologia pelo ITEPAR – Instituto Teológico do Paraná – Maringá – Paraná; Mestre e Doutor em Ciências da Educação, pela UPAP – Universidade Politécnica e Artística – Assunção/PY - site: www.upap.edu.py. Grau universitário revalidado pelo MEC/ CAPES/UFPE.

Liberdade e Responsabilidade Moral.



Há pelo menos dois sentidos de "liberdade". Em um deles, "liberdade" refere-se ao montante de ações permitidas ou não-proibidas pelas leis de um pais. Podemos chamar a liberdade, nesse sentido, de liberdade civil. Podemos falar de graus de liberdade civil, pois podemos comparar dois países e constatar que num deles há mais liberdade ou menos liberdade que em outro. Um pais A tem mais liberdade que um pais B se todas as ações permitidas ou não proibidas pelas leis de B e mais outras são permitidas ou não proibidas pelas leis de A.

O outro sentido de "liberdade" é mais difícil de se determinar. Ele refere-se à liberdade que parece ser pressuposta em toda atribuição de responsabilidade moral e, portanto, em nossos juízos morais. A atribuição de responsabilidade moral consiste em considerar um agente como apto para receber punições (que podem ir das mais brandas às mais severas) por agir de modo moralmente incorreto ou recompensas (que podem ir das mais discretas às mais generosas) por agir de modo moralmente correto. Parece que a responsabilidade moral pressupõe que uma pessoa moralmente responsável é uma pessoa livre, em algum sentido diferente do sentido de liberdade civil. Em outras palavras, a liberdade parece ser uma condição necessária para responsabilidade moral. Parece que nada que não é livre é moralmente responsável.

Mas por que?
Suponhamos que a possibilidade de eu não realizar a ação A em t estivesse excluída e que, portanto, eu não pudesse evitar realizar A em t. Mas se eu não pudesse evitar realizar A em t, que sentido faria alguém me punir ou me recompensar por ter realizado A em t? Parece que isso seria análogo a recompensar ou punir uma máquina por ter realizado uma operação previamente determinada pelo seu projeto e pelas leis da natureza, ou punir uma árvore por ter caído em cima de uma pessoa devido à força do vento. Parece que para que alguém seja responsável pelas suas ações, tanto a possibilidade de realizar quanto a possibilidade de não realizar essas ações devem estar em aberto no momento em que o agente decide se as realizará ou não realizará. A liberdade, assim entendida, é a capacidade tanto de realizar uma ação quanto de não realizá-la em uma dada circunstância. Se somos livres e, por exemplo, em uma bifurcação de uma estrada, tomamos o caminho da direita, poderíamos, nessa mesmíssima circunstância, ter tomado o caminho da esquerda. Não importa como o passado tenha sido, se realizamos uma ação livre em uma certa circunstância, poderíamos livremente não tê-la realizado nessa mesma circunstância, bastaria querer não realizá-la, bastaria um ato da vontade.

Mas parece que uma ação é livre justamente porque esse querer, esse ato da vontade, é livre. Isso significa que, em uma circunstância em que tivemos vontade de realizar uma certa ação, poderíamos ter tido a vontade de não realizá-la. Parece que, se não fosse possível não ter uma certa vontade, então essa vontade não seria livre e, consequentemente, as ações que ela gera tampouco seriam livres. A liberdade parece ser isso: uma espontaneidade pura da vontade, uma indiferença em relação às circunstâncias. Algumas vezes procuramos explicar uma ação errada, apontando para fatores atenuantes, isto é, fatores que influenciaram o agente para que ele realizasse a ação errada e, por isso, demandam uma punição mais branda. Mas, pensamos, a menos que os atenuantes excluam a possibilidade do agente não ter realizado a ação, ele fez porque quis... Fez porque exerceu sua liberdade para fazê-lo, a despeito dos atenuantes, e, por isso, merece alguma punição, por mais branda que seja.

Liberdade nesse sentido eu chamo de liberdade metafísica, pois ela foi tradicionalmente pensada como uma propriedade essencial do ser humano. Entendida dessa forma, a existência da liberdade parece estar em franca contradição com o determinismo, isto é, com a tese que todos os eventos (inclusive nossas ações) estão previamente determinados. Se o determinismo for verdadeiro, então ou está determinado que uma pessoa realizará uma certa ação em uma certa circunstância, ou está determinado que essa pessoas não realizará essa ação nessa circunstância. Uma dessas possibilidades já está excluída pela determinação da outra. Logo, o determinismo parece estar em franca contradição com a existência de responsabilidade moral.

Algumas vezes se costuma dizer que se o determinismo é verdadeiro, então não realizamos escolhas. Isso não parece ser o caso. Se temos duas opções de sobremesa, por exemplo, frutas e bolos, e comemos um pedaço de bolo, então o que fizemos foi escolher o bolo. Se nossa ação de comer o bolo estava determinada, então nossa escolha estava determinada e, portanto, não era livre (se a liberdade tem a natureza descrita acima). Uma coisa é dizer que não há escolhas. Outra coisa é dizer que não há escolhas livres. Se o determinismo é verdadeiro, o que parece não haver são escolhas livres.

Professora Alessandra Piovezan Costa.
Maestrante en Ciencias de la Educacion por la UPAP.

martes, 22 de junio de 2010

A DIFÍCIL ARTE DO RECONHECIMENTO


TER, verbo conjugado com uma constância a cada dia mais assustadora. Poderia dizer que em progressão geométrica (há pouco descobri uma utilidade para algo que aprendi na minha época de ginásio na década de 70 que até então não tinha utilizado)... mas não sei se isso ainda é ensinado nas escolas e posso cometer o grave erro de ressuscitar mortos que até deveriam ter nascido sim, mas para viver em seu habitat, de forma livre e feliz, sem a fúria de muitos e a indiferença de outros tantos que não pertenciam e nem tinham como conhecer o seu habitat.

Mas o problema é de identificação, ou melhor, de reconhecimento.
Quando ainda não tínhamos de forma tão assustadoramente massacrante a conjugação ou a busca alucinada e desmedida por ele, era reconhecido “aquele” do linguajar mais rebuscado, dos conhecimentos mais exóticos ou simplesmente do que conhecia, como sendo o mais relevante para o ser humano, quer em formação ou já formado (colocado em fôrma).

A busca pelo SER e sua importância, já é milenar em algumas culturas e nem por isso, com a febre intensa do TER, a prejudicou ou abalou seus alicerces. Porém, na maioria dos países (principalmente do ocidente), mesmo com a influência dos países de cultura milenar que possuem a tradição do SER como essência da vida, nossos povos nunca conseguiram se ver nesse espelho e se identificar verdadeiramente com a imagem refletida.

Nós vivemos o TER em nosso dia a dia e é muito complicado nos desvencilharmos dele.
Nosso reconhecimento está em quanto TEMOS, em quanto SABEMOS, em quem SOMOS ou filhos DE QUEM somos.
É muito fácil impressionar as pessoas. Por exemplo:
_ Que marca doida é esse tênis seu? Ouvimos de crianças...
_ Que celular paia! Ouvimos de jovens...
- O que você faz? Ouvimos de adultos...

Num mundo de valores outros que não o do amor, da fraternidade, da igualdade, da generosidade, do perdão, do afeto, fica difícil reconhecermos as pessoas realmente importantes em nossas vidas ou que possam contribuir em nossa formação.
Precisamos urgentemente de um choque de serenidade e de humanidade nos habitantes desse planetinha inserido em uma das milhares de galáxias de nosso vasto universo.
Não preciso dizer que “canino molestado por ofídio repele a salsicharia” para ser reconhecido como tal. Posso simplesmente dizer que “cachorro mordido de cobra tem medo de lingüiça” e ser considerado mais um entre tantos que dão brilho a esse planetinha, que poderá se transformar em gigante, quando entendermos que nossas fronteiras não são limites para o amor, o afeto, o carinho e o desejo de felicidade.
Enquanto isso não ocorre, recolho-me à minha insignificância e paro por aqui, antes que eu cometa uma “liberação reflexa temporal da continência anal”.
Cláudio Santos Réche
Mestrante UPAP
Professor – UNIC Primavera do Leste
claudioreche@uol.com.br

miércoles, 16 de junio de 2010

NUEVO NUMERO PARA CONTACTOS 67-99892396




Hemos habilitado este de Celular para atenderte mejor,,,, Gracias

sábado, 5 de junio de 2010

Comitiva do Paraguai visita Boa Vista



Três representantes da Universidade Politécnica e Artística do Paraguai (UPAP) estarão em Boa Vista até o final desta semana realizando visitas a instituições públicas e de ensino superior. A intenção é estabelecer um intercâmbio cultural.

A comitiva é composta pelo reitor da Universidade Politécnica e Artística do Paraguai (UPAP), Dom Manuel Viedma Romero, da presidente do Conselho de Administração da UPAP, Emma Paoli de Viedma e Elizabeth Radomski, coordenadora da UPAP, além do prefeito da cidade de Mamboré, cidade fronteira (PR) Ricardo Radomski.

Nesta quarta-feira (26), às 9h, a equipe visita a Secretaria de Estado de Educação Cultura e Desporto (SECD). Às 14h, realizam um passeio nos principais pontos turísticos como a Orla Taumanan e Igreja Matriz Nossa Senhora do Carmo e às 17h, a comitiva visita as Faculdades Cathedral.

Na quinta-feira (27), o grupo viaja até as fronteiras entre Brasil, Venezuela e Guiana. Já na sexta-feira (28), a equipe visita as Universidades Federal e Estadual às 9h e às 15h, respectivamente.

Na agenda, está programado também um encontro com o prefeito de Boa Vista, Iradilson Sampaio. A visita será feita na sexta-feira (28) às 17h na sede da Prefeitura, na rua General Penha Brasil, 1011, São Francisco – Palácio 9 de Julho.

“O motivo da visita é verificar a possibilidade de intercâmbio cultural entre a UPAP e as instituições de ensino superior em Boa Vista. Essa parceria é muito interessante e essencial para expansão do ensino na cidade. Assim teremos mais oportunidades para nos qualificarmos profissionalmente”, frisa João Coelho César, professor e organizador das visitas.

João é o primeiro aluno formado de Roraima na UPAP pelo Mestrado em Ciências da Educação. Atualmente, várias instituições de Boa Vista possuem estudantes na UPAP, como a Universidade Federal de Roraima (UFRR) e o Instituto Federal de Educação e Tecnologia (IFRR).

martes, 1 de junio de 2010

AULAS PASADAS




La Realidad Educativa del MERCOSUR y el Marco Legal de la Educación fueron las disciplinas abordadas por los profesores doctores Rafael Fernando Muriel y Daniel Aníbal Saucedo respectivamente en la Maestría en Ciencias de la educación el pasado día 29 de mayo.

lunes, 31 de mayo de 2010

COMENZO MAESTRIA EN DERECHO INTERNACIONAL



Con la participación de 26 Maestrantes dio inicio el Nuevo ciclo de la Maestría en Derecho Internacional Público de la Universidad Politécnica y artística del Paraguay.
El aula inicial fue dictada por el Prof. Master Gonzalo R. González quien tuvo a su cargo la misión de hacer converger la cultura y la antropología en su dimensión filosófica.

La segunda disciplina comenzará su desarrollo el próximo 26 de junio y estará a cargo del Dr. Marcelino González.

martes, 25 de mayo de 2010

Universidades do Paraná e do Paraguai querem contribuir com a integração regional



Uma maior articulação entre as universidades do Estado do Paraná e do Paraguai foi o principal tema discutido na primeira reunião de reitores do estado e do país vizinho, realizada nos dias 20 e 21 de abril, em Assunção, capital do Paraguai.

Deste modo, as universidades pretendem contribuir para o processo de integração da região, através de parcerias no ensino superior, na pesquisa e na extensão. Sete universidades paranaenses, entre elas a UFPR, e dez paraguaias participaram do encontro. "Do lado de lá, há uma clara vontade de aproximação, até pelo Brasil estar mais avançado na área. E nós também temos interesse, até por uma questão linguística, e também para ajudarmos nossos vizinhos a avançar", disse o assessor das Relações Internacionais da UFPR, Carlos de Mesquita Siqueira, que participou da reunião junto com o reitor Zaki Akel Sobrinho.

Durante o encontro, a UFPR e as universidades paraguaias de Assunção e do Leste estenderam seus acordos de colaboração. Atualmente, com um convênio firmado através da Associação de Universidades Grupo Montevideo (AUGM), as duas universidades paraguaias disponibilizavam duas vagas por semestre para intercâmbio, enquanto a UFPR fornecia quatro, a fim de atender as duas instituições. Com o novo acordo o número subirá para duas vagas por curso (quatro, no caso da UFPR), a partir de 2011, expandindo substancialmente a parceria entre as três universidades.

Fora isso, as universidades também devem anunciar em breve o intercâmbio entre o corpo docente, além de explorar outros campos. No dia 20, por exemplo, a UFPR assinou com a universidade de Assunção um acordo para iniciar a discussão e o desenvolvimento de projetos conjuntos.

Siqueira destaca que a reunião também abriu caminho para que outras frentes de colaboração sejam abertas. "Até o momento, a UFPR se relacionava com essas duas instituições. Mas, durante o encontro, mantivemos contatos com outras instituições do Paraguai, o que abre possibilidades para o futuro", prevê. "Para tanto, convidamos a comunidade da UFPR a buscar instituições parceiras e a definir temas prioritários para desenvolvimento naquele país", conclui.

miércoles, 19 de mayo de 2010

Doutores UPAP com muito sucesso no Brasil


 Maria Aparecida Monteiro da Silva
Doutora em Educação pela Universidad de Santiago de Compostela, USC, Espanha e em Ciências da Educação pela UPAP - Universidad Politécnica y Artística del Paraguay. Especialista em Dinâmicas de Grupo pela Sociedade Brasileira de Dinâmica de Grupo – SBDG. Consultora pelo INEP SINAES e Sócia-Gerente da SMCONSULT.

Doutores UPAP com muito sucesso no Brasil



 Carlos Alexandre Moraes
Doutorado em Educação pela UPAP – Universidad Politécnica y Artística del Paraguay. Mestre em Direito Ambiental Empresarial e do Desenvolvimento Sustentável pelo CESUMAR. Especialista em Direito Civil e Processual Civil pela OAB e Direito Tributário pelo CESUMAR. Advogado e professor de cursos de graduação e pós-graduação.

lunes, 17 de mayo de 2010

GRAN DIFERENCIAL EN LA MAESTRIA EN CIENCIAS DE LA EDUCACION UPAP


Un nuevo diferencial ha sido añadido en la Maestría en Ciencias de la Educación de la UPAP del Campus de Pedro Juan Caballero.

Los Maestrantes comenzarán a recibir aulas de español y lenguaje de señas brasileño (LIBRAS).

La iniciativa responde a una necesidad regional de perfeccionamiento en los programas de Postgraduación.

La educación inclusiva no puede quedar en el discurso político debemos brindar espacios reales de entrenamiento y capacitación para que los profesores y maestros puedan afrontar con éxito uno de los más grandes desafíos actuales de la educación. LA INCLUSION.

Las aulas de idioma Español y de LIBRAS estarán a cargo de Prof. Diego Gonçalves Rodrigues. Graduado en Letras LIBRAS, UFSC. Aprovado em primeiro lugar no vestibular de Letras-LIBRAS da UFSC (2008). UFMS Câmpus de Ponta Porá.

lunes, 10 de mayo de 2010

UPAP-UFMS




El Prof. Dr. Marcelo Cancio Soares, Profesor de la Universidad Federal de Mato Grosso del Sur. Visitó el pasado viernes 7 de abril el CAMPUS de Pedro Juan caballero de la Universidad Politécnica y Artística del Paraguay. UPAP.

El Prof. Dr. Marcelo Cancio Soares dictó una conferencia magistral sobre el Periodismo de Frontera, titulo de su libro de doctorado, en el encuentro realizado con alumnos y profesores de la UPAP, se manifestó por ambas partes el deseo y la necesidad de unir esfuerzos en líneas de investigación que son comunes para ambas casas de estudios.

Se prevé, para el segundo semestres del 2010, que directivos y profesores de la UPAP del CAMPUS de Pedro Juan Caballero realicen una visita al vicerrectorado de relaciones internacionales de la UFMS con el objetivo de encaminar acuerdo de trabajo en conjunto.


lunes, 26 de abril de 2010

NUEVO EDIFICIO DOCENTE ESTARA CULMINADO EN EL MES DE JUNIO



Un nuevo edificio docente abrirá sus puertas en el mes de junio como parte de el amplio proceso de inversión que desarrolla la Universidad politécnica y artística del Paraguay. UPAP y que incluye 9 edificios mas en distintos campus universitarios del paraguay.

El nuevo edificio que contará con 15 nuevas y confortables salas de clases, laboratorios y bibliotecas forma parte de la estrategia de la Universidad para adecuarse a los requisitos de calidad del MERCOSUR para el desarrollo de procesos educativos de grado y de postgrado.

Quem quer me ajudar?



*Cláudio Santos Réche
Noite sem dormir, aflição no peito já dolorido por alguns problemas que não têm como nos deixar, por isso temos que aprender a conviver com eles, isso passa a ser uma necessidade, pois se trata de questão relacionada à ordem natural das coisas ou o curso normal da vida, mas que infelizmente nunca estamos preparados e sim convivemos com a esperança de superar no momento que acontecer.
Superar adversidades... Esse é um dos maiores desafios que temos na tão conturbada sociedade em que vivemos, onde vemos a insegurança social, política e jurídicas instaladas, sendo esta última com alguns sinais de reação.
Como fazer diante de situações que tocam profundamente nosso coração, mas sua racionalização esbarra em entraves que não dependem de você e percebe pessoas sofrendo ao seu redor, pedindo socorro e você, de sua posição cômoda, escuta, tenta e nada consegue. E se importa? Sim, claro! Mas é muito cômodo se indignar e ficar parado “esperando a morte chegar”, como dizia o “maluco beleza”, mais sensacional que já tivemos, nosso Raul Seixas.
Sim, o que fazer? Espero de mim uma resposta que vem num turbilhão de possibilidades e acabo me perdendo na louca e desesperada tentativa de ajudar. Pensa que ajudar é fácil? Não, pois não basta somente desejar. Desejar e agir ajuda muito... Mas sempre precisamos de mais pessoas e aí é que encontramos nossos maiores problemas. Morosidades aqui, insensibilidades dali, mas não desanimamos quando temos pessoas lindas e puras de coração que querem ajudar, mas sozinhas também não conseguem, pois por mais que nos unamos na convergência do ideal, paramos sempre em uma barreira, em um prazo, em um relatório, em pessoas que agilizam pra te tomar e depois agem como se nada tivessem com a devolução de seu bem, muitas vezes os mais preciosos que possuímos. Sou humano e a falibilidade é uma característica inerente a mim como aos demais colegas, apesar de ser difícil para alguns admitir essa característica, mas temos que perseverar... Temos lutar por um bem maior que nossas rugas e nossos reclames, que se comparados a outros, sentiremos uma vergonha sem tamanho, pois perceberemos que o mundo vai além dos nossos umbigos.

A fraternidade não é para ser exigida, e sim para ser habitualmente praticada, pois é exatamente uma das características que temos visto muitos animais “irracionais” agindo por instinto e nós nos afastando dela. Precisamos sair do belo discurso. Precisamos arregaçar as mangas e dizermos uns para os outros: - Ei somos irmãos! Vamos fazer um mutirão e ajudarmos aqueles que atualmente precisam mais do que nós nesse momento da vida?

Não desejo que isso seja interpretado como um “vamos ajudar agora para sermos ajudados depois”! Não é essa a intenção, apesar de saber que quem ajuda ao próximo de coração aberto recebe muito mais do que doa, mas não na materialidade das coisas e muito menos no somatório de pontos para quando chegar o dia de seu encantamento, morte, falecimento ou desencarne, possa mostrar o seu saldo credor àquele que dizem estar na porta dos céus à espera de sua contabilidade.

Vamos crer no hoje, no presente, que é um dos nossos maiores presentes e vamos fazer dele um motivo de orgulho pra nós, não pelo que fazemos, mas pela nossa não omissão a tantas necessidades de nossos irmãos.

Com meu carinho, espero-os para o grande mutirão!

* Cláudio Santos Réche, Mestrante pela UPAP - Universidad Politécnica y Artística del Paraguay é professor da Faculdade de Direito, da UNIC Primavera.
Fonte: Decom/UNIC

Mestrante- UPAP com sucesso


O Ponto de Cultura Etnocultural de Barra do Bugres foi lançado oficialmente no último sábado (17.04), com a presença do governador Sinval Barbosa, secretário de Estado de Cultura, Oscemário Daltro e o prefeito Wilson Francelino de Oliveira, entre outras autoridades presentes na Praça Ângelo Masson.

A programação contou com apresentações artísticas de capoeira, hip hop e siriri e uma exposição de artesanato local. Integrantes de nove quilombos participaram com violas-de-cocho, toalhas de crochê, adereços femininos e objetos de decoração em madeira. Durante todo o dia foram ministradas, também na Praça, oficinas de tear tradicional e penteados afro. Segundo a coordenadora do projeto, a Mestrante pela UPAP - Universidad Politécnica y Artística del Paraguay Luciana Magalhães de França, o objetivo deste Ponto de Cultura é desenvolver atividades que vislumbrem resgate, revitalização e preservação das raízes com autonomia cultural atendendo sobretudo jovens de bairros periféricos em situação de vulnerabilidade social”.

MESTRANTES UPAP


MESTRANTES UPAP


miércoles, 3 de marzo de 2010

Foi uma ótima aula 27-02-2010




Prof. Master Marcia y Prof. Master Nilsa